Portal de notícias, artigos e informações. Criação e desenvolvimento de jogos e aplicativos digitais educativos.

Reportagem veiculada no jornal Estado de Minas. Estudo feito com pessoas de mais de 50 anos revelou que os jogadores são capazes de melhorar habilidades cognitivas e reverter em até sete anos a decadência relacionada à idade

Link: http://www.em.com.br/app/noticia/tecnologia/2013/05/01/interna_tecnologia,380392/jogar-videogame-retardaria-e-ate-reverteria-decadencia-mental.shtml#.UYJabx_DmRU.facebook

 

Agence France-Presse

Publicação: 01/05/2013 19:16 Atualização: 01/05/2013 19:33

Jogar videogame pode prevenir e até retardar a deterioração de funções cerebrais, como a memória, o raciocínio e o processamento visual, segundo um estudo publicado esta quarta-feira. O estudo da Universidade de Iowa, feito com centenas de pessoas com 50 anos ou mais, revelou que as pessoas que jogam videogame são capazes de melhorar uma variedade de habilidades cognitivas e reverter em até sete anos a decadência mental relacionada com a idade.

“Sabemos que podemos parar esta decadência e verdadeiramente restaurar a velocidade do processamento cognitivo das pessoas”, afirmou Fredric Wolinsky, professor de saúde pública da Universidade de Iowa e principal autor do artigo publicado no periódico PLOS One. “Então, se sabemos disso, não deveríamos estar ajudando as pessoas? É bem fácil e o pessoal de mais idade pode aprender a jogar”, afirmou.

O estudo é o último de uma série de projetos de pesquisa que examina porque as pessoas, à medida que envelhecem, perdem a “função executiva” no cérebro, que é necessária para a memória, a atenção, a percepção e a resolução de problemas. Wolinsky e seus colegas separaram 681 pacientes saudáveis em quatro grupos. Cada um destes grupos foi dividido em segmentos com pessoas de 50 a 64 anos e aqueles acima dos 65 anos. (…)

Leia mais: http://www.em.com.br/app/noticia/tecnologia/2013/05/01/interna_tecnologia,380392/jogar-videogame-retardaria-e-ate-reverteria-decadencia-mental.shtml#.UYJabx_DmRU.facebook

 

Deixe um comentário