Akemi Nitahara
Da Agência Brasil, no Rio de Janeiro

Link da reportagem: http://educacao.uol.com.br/noticias/2012/10/15/com-criatividade-e-tecnologia-professor-desperta-interesse-de-alunos-pela-fisica-e-matematica.htm

 

Jogos eletrônicos, filmes em 3D e realidade aumentada, tecnologias que ainda são desconhecidas por parte dos jovens brasileiros. Ao perceber que seus alunos, de Petrópolis, não entendiam o que é um filme em 3D por nunca terem assistido a uma produção com essa tecnologia, o professor de matemática Guilherme Erwin Hartung decidiu mostrar a eles O Fantástico Mundo 3D.

O projeto deu tão certo que Hartung recebeu, no ano passado, o Prêmio Professores do Brasil, concedido pelo MEC (Ministério da Educação). Durante as atividades oferecidas fora do horário das aulas, sem valer nota, 15 estudantes montaram um site com imagens em 3D produzidas por eles mesmos.

Antes tiveram oficinas de biologia, para saber como funciona o olho humano, de física, sobre polarização da luz, e, claro, de matemática, para entender e calcular a geometria envolvida na produção das imagens com a sensação de profundidade. Também foram feitas visitas a institutos de pesquisa e a um laboratório de computação, além de participarem de uma videoconferência com especialista em 3D de Hollywood. Tudo graças ao empenho do professor, que também é orientador tecnológico no Colégio Estadual Embaixador José Bonifácio, de ensino médio.

“Os alunos gostaram, alguns disseram que a questão da física mudou, tem muito aluno que diz que odeia física, mas, quando vê a física aplicada, uma coisa interessante, palpável, passa a ver a física com outros olhos. A professora de biologia também comentou que os alunos realmente aprenderam o sistema de visão. Em matemática, os 15 que frequentaram o projeto todo realmente aprenderam as razões trigonométricas”, contou Hartung.

Para ele, o incentivo de um professor é suficiente para mudar o destino de um aluno. “Com certeza, [entre] os alunos que participaram do [projeto] 3D, muitos falam em fazer faculdade na área de TI [tecnologia da informação], já estão correndo atrás, escolheram faculdade, Enem [Exame Nacional do Ensino Médio], vestibular. Fiquei feliz porque, não sei se o projeto contribuiu para isso, mas com certeza abriu um pouco a cabeça deles nesse sentido.” (…)

Leia a reportagem completa aqui!


escolajogo

Artista e desenvolvedor de jogos e aplicativos educacionais.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Posts Relacionados

Informações

Evento: Bom dia Memorial – a periferia e sua diversidade

Estará ocorrendo neste fim de semana o evento “Boa noite memorial / Bom dia memorial – A periferia e sua diversidade” no Memorial Minas Gerais Vale. O evento, que começa na sexta, dia 29 de Leia mais…

Notícias

Pesquisa feita nos EUA mostra como videogames podem beneficiar crianças

02/03/2015 – 10h12 Veja 5 jogos que vão deixar você mais inteligente Théo Azevedo Do UOL, em São Paulo Link da reportagem “Jogar videogame faz bem. De acordo com um estudo da Academia Americana de Leia mais…

Informações

Game educativo “Infância Livre”, aborda tema de exploração do trabalho infantil

O game “Infância Livre” (http://www.mptgames.com.br/infancialivre/) é o primeiro jogo fruto de uma parceria entre o Ministério Público do Trabalho de Campina Grande e o Curso Superior de Jogos Digitais da Facisa. Trata-se de um jogo denúncia Leia mais…