Portal de notícias, artigos e informações. Criação e desenvolvimento de jogos e aplicativos digitais educativos.

Archive for fevereiro, 2011

24/02/2011 17h16 – Por: Efe

TV UOL

Link da reportagem: http://tvuol.uol.com.br/#view/id=pesquisa-usa-videogame-para-combater-a-obesidade-infantil-04029C3970C8814327/mediaId=9402899/date=2011-02-24&&list/type=tags/tags=1839/edFilter=editorial/

Pesquisa usa videogame para combater a obesidade infantil

Os videogames podem ser úteis na hora de preparar programas físicos personalizados e conseguir uma maior aceitação no tratamento de crianças obesas, já que elas se sentem “mais felizes e motivadas” do que com o exercício tradicional.

Confira o vídeo:

13 de Fevereiro de 2011 | 16:45h

Olhar Digital (Uol)

Link da reportagem: http://olhardigital.uol.com.br/produtos/central_de_videos/games-viram-oportunidade-de-trabalho-no-brasil

Games viram oportunidade de trabalho no Brasil

O segmento brasileiro de games vive um bom momento. Além das  vendas de jogos e consoles estarem em alta, o mercado de trabalho também começa a dar sinais de recuperação. Segundo André Nogueira, produtor sênior da Zeebo Studio, 2009 foi um ano de crise para a indústria de jogos, com o fechamento de vários estúdios. “A gente usou o ano de 2010 para recuperar nossa indústria e agora só temos projeções positivas para este ano”, enfatiza Nogueria.

O mercado de games é um setor vasto para diversos perfis de profissionais, mas, em especial, para programadores, artistas e produtores. Na Zeebo Studio, que fica em Campinas, interior de São Paulo, trabalham mais de 40 funcionários fixos e ainda existem vagas abertas para, pelo menos, outros três. A demanda por pessoas qualificadas na área de games é altíssima hoje no Brasil.

Muita gente que entra nesse mercado pensa em morar fora e trabalhar em países como Estados Unidos, Japão e na Europa. Só que como a economia dessas regiões passa por momentos complicados, o território nacional começa a oferecer alternativas bacanas. “Muitas pessoam pensam em trabalhar lá fora porque acham que aqui não tem nada. Mas tem muita coisa”, afirma José Antônio Faria, professor de jogos digitais.

Apesar dos postos de trabalho estarem no Brasil, boa parte da produção local é exportada. Hoje, cerca de 70% dos jogos desenvolvidos no Brasil são comercializados fora do País. Sejam games para consoles ou para celulares, tudo vai parar no exterior. Ainda existem vários desafios para fazer o mercado interno mais forte. “A gente se vê impedido de crescer por causa de impostos e de algumas leis que existem aqui no Brasil”, conta Faria.

Confira o vídeo da reportagem:


Se você se identifica com a área e também quer entrar no jogo,  veja os links abaixo que podem te dar uma ajuda!
Links da Matéria:

O mercado dos games em 2010

Como são criados os games?

23 de Fevereiro de 2011 | 14:45h

Olhar Digital (Uol)

Link da reportagem: http://olhardigital.uol.com.br/jovem/games/noticias/novo_dispositivo_permite_que_voce_sinta_o_cheiro_dos_games

Tecnologia permite sentir cheiro dos games

Criado pela Scent Sciences Corporation, o aparelho deve chegar ao mercado até o Natal deste ano, na versão para PCs

Depois de sensores de movimento e imagens 3D, qual o próximo passo para os jogos ficarem ainda mais interativos? O cheiro. Pelo menos, essa é a aposta da Scent Sciences Corporation, que acaba de criar um dispositivo, chamado de ScentScape, voltado a permitir que os jogadores sintam cheiros relacionados ao game, enquanto jogam.

A empresa já tinha desenvolvido um equipamento semelhante para sentir o cheiro de seus vídeos favoritos.

O aparelho voltado a jogos funcionará com cartuchos que contêm 20 “essências básicas” e que serão misturadas para simular o aroma de diferentes cenas do game. Cada cartucho custará cerca de US$ 20 e terá até 200 horas de duração. Por enquanto, o aparelho estará disponível apenas para PCs, mas a empresa deve criar versões para os principais consoles também.

Segundo o site do produto, o ScentScape deve chegar ao mercado antes do Natal, para aproveitar as vendas de fim de ano. O equipamento custa US$ 69 nos Estados Unidos.

19/02/2011 – 14h06

do Gamehall
Uol Jogos

Gameworld 2011 premiará os melhores jogos de 2010; evento acontece em março em SP

Charles Martinet, dublador do Super Mario, distribuiu autógrafos no Gameworld 2010. Du Amorim/UOL

Em comunicado oficial no site da revista EGW, a Editora Tambor anuncia a realização da edição 2011 do Troféu Game World, evento que visa reunir jogadores, jornalistas e profissionais da área do entretenimento eletrônico e premiar os melhores games e empresas do ano.

Atualmente em sua sétima edição, o GameWorld 2011 acontece entre os dias 11, 12 e 13 de março, no Centro de Exposições Frei Caneca, em São Paulo. Os organizadores esperam a visita de mais de 15 mil pessoas diversificadas entre interessados no mercado de jogos digitais, expositores, jornalistas e profissionais do setor.

Apesar de não confirmar as atrações, os organizadores prometem um evento ainda maior do que o do ano passado e promete a participação de quinze empresas participantes, produtos e jogos inéditos para o público brasileiro. Entre algumas empresas patrocinadoras do evento, destaque para gigantes do setor como Warner Games/Electronic Arts, Konami, AMD e Nvidia.

Complementando, a premiação conhecida como “Trófeu GameWorld” promete novas categorias de premiação, como “Melhor jogo nacional”, “Melhor Advergame”, “Melhor Notebook para Games”, “Blog do Ano” e “Executivo do Ano”. A cerimônia de entrega dos prêmios, entretanto, é restrita para convidados e acontece na noite do dia 11 de março, no Teatro Frei Caneca.

Serviço:

Troféu Gameworld 2011
Data: 11, 12 e 13 de março
Horário: das 12h às 19h30
Entrada gratuita
Local: Centro de Convenções Frei Caneca, no Shopping Frei Caneca
Rua Frei Caneca, 569, São Paulo, SP

Mais informações sobre o evento podem ser adquiridas no site oficial do evento.

terça-feira, 15 de fevereiro de 2011, às 7h05

Universidade Federal de Minas Gerais

Link da notícia: http://www.ufmg.br/online/arquivos/018213.shtml

Introdução ao desenvolvimento de jogos
Vagas:
20
Público-alvo: estudantes de ensino médio e superior; conhecimentos em programação, apesar de não serem necessários, podem ser úteis.
Carga horária: 20 horas-aula
Período: 5 a 8 de março
Horário: 14h às 18h
Inscrições: a partir de 21/02 no site www.ufmg.br/festivaldeverao
Preço: R$ 20

Jogos digitais são muito mais que diversão, lembra coordenador de oficina

Pode ser apenas diversão para a maioria das pessoas, mas para muita gente o mundo dos jogos digitais é profissão e grande negócio. É o que aponta o professor Luiz Chaimowicz, coordenador da oficina Introdução ao desenvolvimento de jogos digitais, uma das que serão oferecidas durante o Festival de Verão da UFMG.

“A área de jogos digitais está presente na vida da grande maioria das pessoas, além de movimentar bilhões de dólares por ano. Na oficina, vamos fornecer uma visão geral do processo de desenvolvimento de jogos, com aulas expositivas e também com atividades que permitam ao aluno experimentar o processo de desenvolvimento”, ele explica.

O professor acredita que a oficina é uma oportunidade de introdução a um mercado cada vez mais explorado no Brasil, principalmente no que se refere a aplicativos para celulares e jogos digitais didáticos. Ele lembra a atenção dada pela UFMG à área: “Temos jogos didáticos, como o Estrada Real Digital, desenvolvido pelo Centro de Convergência de Novas Mídias (CCNM) em parceria com o Departamento de Ciência da Computação (DCC), que transmite conceitos de história, geografia e meio ambiente para crianças de nove a 13 anos. Além disso, há o projeto Aladim, jogo de alfabetização que está sendo desenvolvido pelo DCC, Escola de Belas-Artes e Faculdade de Letras”, conta Chaimovicz.

Quando se trata de transmitir e gerar conhecimento na área de jogos digitais, a UFMG tem experiência. Além de ter organizado, em parceria com a PUC Minas, o Simpósio Brasileiro de Jogos e Entretenimento Digital (SBGames) em 2008, a Universidade conta com laboratório multidisciplinar de pesquisas em jogos e tem diversos artigos publicados, além de seis dissertações nos últimos quatro anos.

Uma série de jogos desenvolvidos em FLASH pelo site www.cerebromelhor.com.br para o UOL, são apresentados ao público em geral.

Vale a pena dar uma olhada e uma “treinada” no nosso cérebro também!

Alguns links para os jogos (disponíveis no canal UOL):

08/02/2011 – 07h00

Lilian Ferreira
Do UOL Ciência e Saúde

Jogos virtuais melhoram a atenção e a memória, segundo especialistas

Segundo especialista, jogos para a mente melhoram o desempenho quando praticados regularmente por pelo menos três meses

Seja pelo excesso de informação ou pelo ritmo de vida alucinante, você já deve ter parado um instante e esquecido o que estava procurando ou o que ia falar. A memória é infinita, mas precisa ser treinada para ter rápido acesso às informações escondidas no seu cérebro.

Com esta necessidade crescente para não perder tempo no seu dia a dia (lembrando onde deixou os óculos, por exemplo) ou no trabalho, surgiram diversos jogos especializados na tarefa. As “academias virtuais” prometem exercitar as funções do cérebro e deixá-lo melhor do que nunca. Mas estes jogos para a mente realmente funcionam?

As pesquisas científicas divergem, algumas afirmam que há melhoras, especialmente em pacientes com problemas de memória como o Alzheimer, outras não indicam ganhos significativos.

“Existem muitas pesquisas sobre o desenvolvimento do cérebro e jogos computadorizados, mas ainda não há provas científicas que possam esclarecer se eles são eficientes”, conta a neurocientista Mirna Wetters Portuguez, da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS).

Franck Tarpin-Bernard, chefe de tecnologia da Scientific Brain Training, que possui o site de games para o cérebro Happy Neuron, afirma que os jogos são eficientes porque foram desenvolvidos para exercitar adequadamente áreas específicas do cérebro. O jogo pode ser um caça-palavras ou uma batalha naval, que estimula em níveis diferentes as funções cognitivas memória, atenção, linguagem, raciocínio lógico e visão espacial.

“Exercitamos regularmente áreas específicas do cérebro como memória e atenção, e temos programas interativos, em que existem níveis de dificuldade, então é possível ser desafiado constantemente e, assim, não desistir e melhorar suas funções cognitivas”, explica Tarpin-Bernard.

Portuguez concorda que os jogos virtuais melhoram o desempenho cognitivo, mas não há muita diferença em relação aos demais videogames.

“Jogos computadorizados funcionam como efeito estimulador no desenvolvimento intelectual, permitem maior flexibilidade de raciocínio, desafiam nosso funcionamento executivo, ajudam a treinar e estimular o pensamento lógico, o planejamento estratégico, a solução de problemas, a tomada de decisões, o reconhecimento de erros, a enfrentar situações novas, a inibir reações habituais quando se mostram inadequadas para o momento e o raciocínio dedutivo”, elenca.

Todas essas funções estão localizadas no lobo frontal, especialmente no córtex pré-frontal, que é responsável por essas manifestações cognitivas e comportamentais.

Por outro lado, ela acredita que os jogos não substituem relações sociais, que desenvolvem outras áreas do cérebro. “No entanto, essas habilidades são menos produtivas em algumas funções cognitivas muito importantes como linguagem, incluindo compreensão e expressão verbal, leitura, escrita e alguns aspectos comportamentais, como interagir com o mundo real, com as pessoas, tanto no âmbito afetivo como social”, pondera.

Sudoku

Sabe-se que várias atividades podem estimular e treinar o cérebro, como jogos de baralho, palavras-cruzadas, xadrez e a leitura. Em uma pesquisa realizada com mais de 5.000 chineses idosos, comparou-se grupos com diferentes atividades de lazer, como assistir à TV, ler e jogar Mahjong (considerado um jogo das 100 inteligências). Os idosos que tinham o hábito do jogo e da leitura apresentaram risco menor de prejuízos cognitivos.

Tarpin-Bernard diz que estes jogos ajudam a fortalecer ligações no cérebro, mas que elas não são usadas para funções do dia a dia. “A pessoa quer ter uma memória melhor para lembrar o que tem q comprar no supermercado, para coisas do dia a dia. Jogando muito sudoku o máximo que você vai conseguir é ser um expert em sudoku”, ironiza.

O grande diferencial, segundo ele, é que os jogos para o cérebro combinam funções cognitivas diferentes e aumentam a dificuldade gradativamente, o que permite a criação de novas conexões para se chegar à informação. “Os games ensinam como focar sua atenção e melhorar a concentração e ainda desenvolvem técnicas de memorização que você já usa naturalmente”, explica.

Pesquisa

Uma das principais pesquisas sobre a eficiência dos jogos para mente foi realizada pela BBC. A “Lab UK” Bang Goes the Theory testou cerca de 11 mil pessoas. Elas tinham que fazer determinadas atividades, no mínimo 10 minutos ao dia, três vezes na semana, por seis semanas. No final, as pessoas que realizaram treino cerebral e as que simplesmente usaram a internet durante mesmo tempo tiveram ganhos cognitivos semelhantes.

“Eles observaram melhoras progressivas no desempenho no jogo, mas os ganhos cognitivos não acompanharam essa ‘performance’. Não identificaram melhoras no raciocínio geral, nas funções de memória, planejamento e nem nas habilidades visuais e espaciais”, lembra a neurocientista.

A resposta dos especialistas em jogos para a mente não diverge da conclusão da própria pesquisa: é necessário mais tempo de atividade para verificar benefícios no funcionamento cognitivo. “Um período curto, como foi feito na pesquisa em questão, não é suficiente para produzir modificações consistentes no cérebro”, analisa Portuguez.

Para o especialista em jogos para a mente, para se começar a ter resultados é necessário pelo menos 90 dias de treinamento regular, com 20 minutos a cada 2 dias.

A Escola de Jogos realizou alguns testes com diferentes sistemas operacionais e diferentes navegadores em pcs, e constatamos que o plugin da Cosmo Software não teve um bom rendimento para a visualização dos mundos em 3D em VRML, chegando mesmo a até travar alguns navegadores na hora da visualização.

Portanto, estamos recomendando o download do “Cortona 3D”, que é, inclusive, o software usado para a visualização de nossos aplicativos, games e projetos em VRML.

O Cortona 3D se mostrou mais estável e também foi o único que permitiu a visualização da ambientes VRML que fazem interação com recursos Flash.

Para fazer o download do Cortona 3D, clique aqui.

Não precisa pesquisar muito na internet para descobrir sites interessantes sobre aplicações em VRML.

Um dos sites interessantes que a Escola de Jogos “descobriu”, e que estamos disponibilizando o link de acesso, é o

“The world  of Ancient  Mayas in  virtual reality”

É um site que procurou reconstruir algumas construções da civilização Maia. Vale a pena dar uma olhada pelo nível de detalhes e de fidelidade com as contruções originais.

O site (em inglês), dá uma pincelada em algumas informações sobre a civilização Maia, mas nada muito profundo, e se concentra principalmente nas construções e animações em VRML.

Para acessar o site, clique aqui!

05/02/2011 – 10h21

do Gamehall

Link da reportagem: http://jogos.uol.com.br/ultnot/multi/2011/02/05/fecomercio-organiza-debate-sobre-mercado-de-games.jhtm

Fecomércio de SP organiza debate sobre o mercado de games e aplicativos no Brasil

Fecomércio organiza evento que vai discutir o futuro dos games no Brasil

A Fecomercio (Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo) vai organizar no próximo 25 de fevereiro a partir das 9h, um debate sobre a situação atual do mercado de games e aplicativos no Brasil, o que inclui o seu desenvolvimento, investimento e estímulos.

Segundo nota oficial, o Fecomercio convida aos interessados a participar do debate, que vai tratar sobre as possibilidades, os desafios e os obstáculos que este novo mercado enfrenta para crescer no Brasil. Ainda segundo a nota, os games e aplicativos são “muito mais do que lazer, diversão e funcionalidade. São um universo de oportunidades que não para de se expandir”.

A palestra terá a participação de Aloizio Mercadante, ministro de Ciência e Tecnologia, além de jornalistas e profissionais da área de games.As inscrições para o debate são gratuitas, e o credenciamento será realizado a partir das 8h do dia 25 de fevereiro, na plenária do Fecomercio, situada à Rua Dr. Plínio Barreto, 285 – 3º andar, em São Paulo.

Mais informações: clique aqui!

01/02/2011 – 19h01

RODRIGO GUERRA
da Redação UOL Jogos

Link: http://jogos.uol.com.br/ultnot/multi/2011/02/01/arquivado-projeto-de-reducao-impostos-games.jhtm

Sem despertar ‘interesse político’, Projeto de Lei que previa reduzir impostos de games é arquivado

Por aparente “falta de interesse político”, conforme apurou UOL Jogos, o Projeto de Lei 300 de 2007, que previa estender aos videogames os benefícios da Lei de Informática – dentre eles a redução de impostos -, foi arquivado nesta segunda-feira (31).

Reportagem de UOL Jogos apurou que o motivo para o arquivamento se deve ao afastamento de Carlito Merss, autor do Projeto de Lei e, na época, deputado federal do PT por Santa Catarina. Ele pediu renúncia do cargo após ser eleito prefeito de Joinville. Como o Projeto é de sua autoria, nenhum outro deputado pode pedir o desarquivamento para dar continuidade ao mesmo. Assim, em 180 dias o projeto será arquivado definitivamente.

O Projeto prevê a extensão dos benefícios da Lei da Informática aos jogos eletrônicos, servindo tanto ao hardware quanto ao software e outros acessórios, o que supostamente poderia resultar numa queda de preços.

A reportagem tentou entrar em contato com o prefeito Carlos Merss, que está em férias. Até a publicação desta notícia, UOL Jogos não recebeu resposta de nenhum dos assessores do prefeito.

Altos impostos

Hoje a carga tributária que incide sobre os consoles, por exemplo, pode chegar a 275%. São esses custos que fazem um PlayStation 3 de 160 GB, que custa US$ 299 nos Estados Unidos, chegar a R$ 1.999 no Brasil.

A campanha Jogo Justo é outra iniciativa que tenta reduzir os impostos da área do entretenimento eletrônico. No último sábado (29) foi realizado o ‘Dia do Jogo Justo’, que além de vender jogos com grandes descontos, promoveu palestras de conscientização dos impostos praticados no Brasil.

Vídeo da reportagem

Como qualquer empresa da indústria de games do Brasil que se preze, a Escola de Jogos tem o orgulho de divulgar um game muito educativo do site Jogo Justo, em parceria com a Give Me Five Entertainment Group.

Para quem não conhece, o “Projeto Jogo Justo” visa lutar por uma redução na taxação de impostos que incidem sobre os games no Brasil. Taxas essas consideradas abusivas e sem sentido para a indústria de games brasileira. Saiba mais.

Vou postar apenas a introdução do artigo. Para ver o artigo completo, clique aqui.

Conheça o jogo oficial do Jogo Justo!

Enviado por malegretti em 01.fev, 2011 na categoria Notícias.
www.jogojusto.com.br
BRASÍLIA, 29 DE JANEIRO DE 2011 – A indústria de jogos alcançou os maiores faturamentos na área de entretenimento superando música e cinema. O Brasil aparece como o grande expoente do mercado de produção e consumo de jogos. O problema nacional são as elevadas taxas de impostos, que tornam os produtos muito caros no país.
Com base na experiência do México, país com maior volume de negócios na área de games na América Latina, um grupo de distribuidores, desenvolvedores e consumidores de games se uniram para apresentar uma proposta ao governo brasileiro capaz de alavancar o mercado. Jogo Justo pretende baixar as taxas de importação, reduzir as alíquotas de impostos e estimular o consumo interno de jogos. (…) continua…
Para jogar o Game “Jogo Justo na Ilha dos Impostos”, clique aqui!
Estatísticas de Acesso:
  • 10 de agosto de 2010Desde:
  • 17Visitas hoje:
  • 149310Total de visitas:
  • 282437Visualizações:
  • 0Online:
Nuvem de Tags